A The Kellogg Company nasceu em 1898, quando o fundador, W. K. Kellogg, e seu irmão, Dr. John Harvey Kellogg, transformou um grão de trigo em floco, um erro que resultaria na receita dos flocos de milho Kellogg’s. A empresa, sediada em Battle Creek, Michigan, opera hoje em 180 países, fornecendo cereais prontos para consumo e outros produtos alimentares. Em 2013, a empresa relatou vendas líquidas no total de 14,8 bilhões USD. As marcas da Kellogg’s incluem Froot Loops, Frosted Flakes, Special K, Rice Krispies, Pop Tarts, Eggo Waffles, Nutri-Grain Bars e, naturalmente, Kellogg’s Corn Flakes.

As margens no setor de cereais prontos para consumo são estreitas. Para uma empresa como a Kellogg, aproximadamente um terço da receita anual é gasto em custos promocionais ou despesas comerciais: todos os gastos em cupons e ofertas especiais, promoções de preços especiais, patrocínios e até mesmo a localização de cada marca nas prateleiras dos mercados. “Qualquer melhoria nas despesas comerciais reflete imediatamente no bottom line”, afirma Stover McIlwain, diretor sênior de engenharia de infraestrutura de TI da Kellogg. “Se reduzirmos as despesas comerciais em apenas 1%, isso significa 50 milhões USD.”

A empresa acompanha de perto as despesas comerciais, analisando grandes volumes de dados e executando simulações complexas para prever quais atividades promocionais serão mais eficazes. A Kellogg usava um banco de dados relacional tradicional local para análise e modelagem de dados. Em 2013, essa solução não conseguia mais acompanhar o ritmo da demanda. A Kellogg precisava executar a cada dia dezenas de simulações de dados complexas para tópicos como despesas com anúncios na TV, marketing digital, campanhas de cupons e outras promoções, comissões de vendas e custos de vitrine e prateleira, mas o sistema conseguia executar apenas uma simulação por dia. “As margens são muito estreitas em nosso setor. Mesmo pequenas mudanças de despesas comerciais podem alterar a participação no mercado”, comentou McIlwain. “O crescimento da receita estancou em algumas de nossas categorias. Portanto, precisamos de muita agilidade para manter a competitividade. Temos de eliminar desperdícios e investir mais em despesas comerciais que aceleram a introdução no mercado e aumentam a receita.” Era claro que a Kellogg precisava mudar de sua infraestrutura tradicional local.

A Kellogg precisava de uma solução que acomodasse terabytes de dados, escalasse de acordo com as necessidades da infraestrutura e permanecesse dentro do orçamento. A empresa se interessou em uma solução do SAP denominada Accelerated Trade Promotion Planning, baseada no SAP HANA, a plataforma de tecnologia de banco de dados na memória da SAP. A Amazon Web Services (AWS) oferecia um ambiente HANA totalmente certificado pela SAP em uma plataforma de nuvem pública. Como o SAP funciona na Nuvem AWS, a empresa sabia que poderia obter a velocidade, a performance e a agilidade necessárias sem investir substancialmente em hardware físico. A Kellogg decidiu começar imediatamente a usar ambientes de teste e desenvolvimento para as operações nos EUA.

Agora, a empresa executa a solução Accelerated Trade Promotion Management (TPM) da SAP, baseada no SAP HANA e usando vários tipos de instância da AWS para o aplicativo SAP e as camadas de banco de dados do HANA. Essas instâncias do Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2) processam semanalmente 16 TB de dados de venda de promoções nos EUA, modelando dezenas de simulações de dados por dia.

A empresa também usa o Amazon Virtual Private Cloud (Amazon VPC), conectado diretamente aos datacenters da Kellogg para permitir que usuários na rede da empresa acessem o SAP TPM. O Amazon Simple Storage Service (Amazon S3) é usado para backup de dados, incluindo o HANA, e o Amazon Elastic Block Store (Amazon EBS) é usado para volumes de IOPSs provisionadas (P-IOPS) para armazenamento. A empresa registra os eventos usando o AWS Identity and Access Management (AWS IAM).

A Kellogg utiliza o Amazon CloudWatch para monitoramento, o que ajuda a empresa a alocar custos para cada departamento de acordo com o uso individual de infraestrutura. “O CloudWatch ajuda o nosso pessoal a tomar melhores decisões sobre a capacidade necessária, o que permite evitar desperdícios”, disse McIlwain. “Com a nossa infraestrutura local, não conseguíamos fazer isso. A AWS oferece informações de uso e custo tão detalhadas que podemos identificar os custos de cada departamento, como em um modelo de pedágio.” Agora, os custos e os benefícios desse serviço de TI podem ser alinhados para que a Kellogg possa avaliar o verdadeiro retorno sobre o investimento.

Para obter alta disponibilidade, a Kellogg usa várias zonas de disponibilidade (AZs) da AWS, sem o custo adicional de manter um datacenter separado.

kellogg-arch-diag

Figura 1. Arquitetura de implantação do SAP HANA da Kellogg na AWS

A Kellogg estima que economizará cerca de um milhão de dólares em software, hardware e manutenção nos próximos 5 anos apenas com uso da AWS para ambientes de teste e desenvolvimento. “O uso da AWS oferece uma economia de mais de 900.000 USD e permite executar dezenas de simulações de dados por dia para reduzir as despesas comerciais. Todos ganham. É um caso de negócios de mudança para a nuvem muito convincente”, afirmou McIlwain.

Usando a AWS, a empresa também aumenta a sua agilidade. Em vez de ter de esperar 30 dias para alterar o sistema de análise de despesas comerciais, a empresa pode gerar imediatamente instâncias para executar as simulações (ou cálculos) de dados necessários. “A velocidade e a agilidade oferecidas pelo uso da AWS nos permitem desenvolver e entregar serviços empresariais com rapidez muito maior, mantendo nosso posicionamento na vanguarda do mercado. Nossa equipe pode implantar instâncias em um tempo 90% menor que na nossa solução local anterior”, disse McIlwain. “A Nuvem AWS proporciona vários benefícios empresariais para a Kellogg.”

Os engenheiros da Kellogg gostaram da capacidade de acesso e da familiaridade dos produtos e serviços da AWS, que permitiram aplicar facilmente o conhecimento e as habilidades de infraestrutura atuais na Nuvem AWS. Além disso, usando a AWS, os clientes internos da equipe de TI já podem financiar eles mesmos os projetos de TI, evitando que a equipe de TI tenha de incluir projetos de outros departamentos no orçamento e promovendo um uso mais eficientes dos recursos. “A AWS permite que eu faça coisas que antes eram impossíveis, como cobrar diretamente a área de vendas pela infraestrutura que utiliza, em vez de absorver esses custos no orçamento geral de infraestrutura anual”, comentou McIlwain.

A Kellogg aprecia a possibilidade oferecida pela AWS de usar licenças atuais do HANA adquiridas previamente da SAP. Esse recurso permite que a equipe provisione rapidamente as instâncias, sem ter de instalar e configurar repetidas vezes o software.

A empresa usa o AWS Support no nível Business e o treinamento. Um engenheiro já conquistou a certificação AWS Certified Architect. “O suporte de engenharia incluía treinamento e documentação”, disse McIlwain. “O suporte excedeu as expectativas e se tornou um diferencial importante e um benefício adicional do trabalho com a AWS.”

A Kellogg usa a AWS para as operações nos EUA e pretende ampliar esse uso para todo o mundo em 2014, o que deve aumentar o volume dados processados de 16 TB para 50 TB. “Usando a AWS, temos clientes mais satisfeitos e trabalhamos com mais rapidez, economia e qualidade”, concluiu McIlwain.

Para saber mais sobre como a AWS pode ajudar a executar aplicativos da SAP, acesse a página de detalhes sobre soluções da SAP.