Facebook-Social-Sharing-Button_Top
Twitter-Social-Sharing-Button_top
GooglePlus-Social-Sharing-Button_top
LinkedIn-Social-Sharing-Button_Top

A MLB Advanced Media (MLBAM) queria uma nova maneira de capturar e analisar cada jogada usando ferramentas de coleta e análise de dados. A empresa precisava de uma plataforma que possibilitasse o rápido consumo de dados em campos de beisebol em toda a América do Norte, fornecendo poder computacional suficiente para análises em tempo real, produzindo resultados em segundos, e sendo desativada durante a baixa temporada.  A MLBAM usou a AWS para alimentar seu revolucionário Player Tracking System, que está transformando o esporte com a revelação de novas informações detalhadas sobre as nuances e a destreza atlética do jogo. Essas informações geram novos níveis de emoção entre fãs, transmissoras e equipes.

mlbam-innovation-thumb

Foi um jogo memorável para os fãs do beisebol, um esporte baseado em lendas de até 150 anos atrás. No terceiro tempo de ataque do sétimo e decisivo jogo da 2014 World Series, os San Francisco Giants e os Kansas City Royals estavam empatados em dois pontos. Eric Hosmer, do Royals, acertou a bola com força, jogando-a para o centro do campo. Se a bola saísse do campo de dentro, a tacada poderia ter iniciado um rally.

Mas Joe Panik, jogador de segunda base do Giants, mergulhou de forma sensacional para pegar a bola, causando duas eliminações, incluindo a de Hosmer, que foi eliminado na primeira base ao tentar mergulhar para se antecipar ao arremesso de Panik. O possível rally do Royals fracassou, e os Giants ganharam o jogo – e a World Series – por uma única corrida.

A jogada de Panik alimentou muitas conversas na mídia social, nos bares e nas cabines de transmissão. No entanto, detalhes adicionais da jogada surgiram em um sistema hospedado na nuvem, uma nova solução de big data, chamada Player Tracking System, criada pela MLB Advanced Media (MLBAM) usando a Amazon Web Services (AWS).

A solução, que revelou que Hosmer poderia ter chegado com segurança à primeira base correndo por cima dela em vez de mergulhar, captura e analisa as complexidades sutis de cada jogada. Lançado em produção total em todos os 30 campos da MLB para o dia de abertura da temporada de 2015, o Player Tracking System está gerando novas emoções com dados entregues em segundos após a ação, incluindo as informações enviadas às empresas de transmissão com a marca "Statcast".

Joe Inzerillo, vice-presidente executivo e diretor de tecnologia da MLBAM, afirma que a AWS foi essencial para transformar o Statcast em realidade.

"O comportamento do consumidor está mudando. Ele está mudando para o ambiente on-line, para o ambiente móvel, e esse tipo de tecnologia é essencial para a evolução do jogo", comenta Joe. "Um dos trabalhos mais emocionantes que já fizemos foi o Statcast, com o respaldo da AWS. Pela primeira vez, podemos medir coisas que nunca fomos capazes de medir antes."

  • Serviços da AWS usados

  • As vantagens da AWS

    • A AWS pode processar streams de jogos com horários variáveis em todo o país
    • Ela pode consumir, analisar e armazenar mais de 17 petabytes de dados por temporada
    • A MLBAM pode reduzir a escala em dias em que não há jogos e na baixa temporada
    • Ela fornece novas formas de analisar jogadas e jogadores para fãs, transmissoras e clubes
    • Os dados podem ser usados para transmissões e aplicativos da MLB



  • Sobre a MLBAM

    A MLBAM é a divisão de serviços digitais da Major League Baseball. A empresa opera o site oficial da liga e os sites dos 30 clubes da Major League Baseball por meio do site MLB.com, que oferece notícias, classificações, estatísticas e programações, bem como áudio e transmissões de vídeo ao vivo para assinantes. Além disso, a MLBAM é proprietária e operadora da MLB Radio e da BaseballChannel.TV, e também é operadora ou proprietária de vários outros sites como Minor League Baseball, YES Network, SportsNet New York e World Championship Sports Network.


Dados do Statcast sobrepostos ao vídeo da jogada de Panik e Hosmer

Dados do Player Tracking System (Statcast) sobrepostos ao vídeo da jogada de Panik e Hosmer. A seção vermelha à direita mostra que, se Hosmer tivesse mantido sua velocidade, em vez de mergulhar para a base, teria tocado a base antes, por cerca de um pé.

Os dados têm um papel importante no beisebol, com grandes quantidades de estatísticas descrevendo a evolução ao longo das temporadas. No entanto, essas informações são históricas e estáticas. A MLBAM queria alterar sua abordagem de estatísticas, capturando e analisando dados em tempo real para revelar as sutilezas mais importantes do esporte.

A MLBAM considerou uma solução de TI no local, mas acabou descartando-a. "Analisamos o uso de recursos de computação em todos os estádios", diz Dirk Van Dall, vice-presidente de desenvolvimento de tecnologia multimídia da MLBAM. "No entanto, a distribuição eficiente de dados de e para tantos locais teria envolvido muito tempo e investimento em recursos de TI, que ficariam ociosos metade do ano."

A Nuvem AWS ofereceu uma alternativa ideal para comportar até 15 jogos em um único dia, e dias com apenas um ou dois jogos.

"A AWS oferece cobertura nacional com tempos de ida e volta razoáveis para o envio de dados entre os locais dos jogos, a nuvem e os diversos serviços usados para criar o Statcast", comenta Van Dall. "Ela proporciona uma excelente escalabilidade, o que nos permite expandir no momento mais necessário, como também gerenciar apenas um, dois ou vários jogos em um único dia e desativar os recursos durante a baixa temporada."

O fluxo de trabalho começa com dois sistemas de aquisição de dados nos estádios, que fornecem informações coordenadas. Um sistema de radar Doppler é posicionado atrás da base do batedor, examinando a posição da bola 2.000 vezes por segundo. Dois dispositivos de imagem estereoscópica, normalmente posicionados sobre a linha da terceira base, examinam as posições dos jogadores no campo 30 vezes por segundo. Os dados desses sistemas são incrementados por breves descrições por escrito de cada jogada, inseridas pelo pessoal em campo após a ação.

Passados 10 a 15 segundos após a conclusão da jogada, os dados são transmitidos por redes privadas nos estádios, agregados e enviados à Nuvem AWS usando o AWS Direct Connect, que proporciona uma conexão de rede dedicada para agilizar a entrega de dados. A MLBAM usa o Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2) como o poder computacional que sustenta a solução. Os dados coordenados de cada jogada são armazenados no Amazon Simple Storage Service (Amazon S3), que será ampliado para comportar as grandes quantidades de informações geradas pela solução. A MLBAM prevê que serão gerados em média 7 TB de dados por jogo. Com 2.430 jogos em uma temporada, são cerca de 17 petabytes por temporada."

A MLBAM usa o Amazon ElastiCache para armazenar temporariamente informações sobre o jogo em caches de memória, em vez de discos rígidos, possibilitando a rápida recuperação dos dados para tarefas de análise. O Amazon DynamoDB atende a consultas e oferece a recuperação de dados com a rapidez necessária. O Amazon CloudFront fornece uma solução escalável para atender às APIs.

O AWS Lambda, um serviço de computação sem servidor que executa código em resposta a eventos, possibilita a análise de feeds de dados no mecanismo de métricas da solução. "O Lambda é muito inteligente. É onde pegamos os dados brutos, executamos a limpeza básica e a detecção de erros e criamos métricas que fornecem mais informações sobre as jogadas: os arremessos, a taxa de aceleração do jogador, as velocidades máximas das corridas", afirma Van Dall. "Estamos acessando uma mina de big data real, e estamos apenas no começo."

A análise é executada milissegundos após o recebimento dos dados, o que é essencial para as transmissoras, que recebem métricas e vídeo brutos em até 12 segundos após a conclusão da jogada.

MLBAM_arch-diagram
MLBAM_arch-diagram

A arquitetura Statcast, baseada na AWS. Clique na imagem para ampliar.

Velocidade, escalabilidade e capacidade de capturar, analisar e entregar grandes quantidades de dados de diferentes formas são aspectos essenciais das iniciativas inovadoras da MLBAM para beneficiar todos que amam o jogo, particularmente os fãs, que agora dispõem de métricas confiáveis para discussões como, por exemplo, quem faz as corridas mais eficientes entre as bases ou tem os tempos de reação mais rápidos para as bolas à meia altura.

"Fornecemos informações empíricas aos fãs para sustentar essas conversas, o que é algo muito importante nos esportes", diz Inzerillo.

Além disso, as transmissoras dispõem de novas informações para usar nas análises ao vivo, aumentando ainda mais o envolvimento dos espectadores. E os clubes contam com novos dados e ferramentas para analisar e orientar jogadores.

"Acreditamos que o Player Tracking System, com base na AWS, oferecerá informações novas e mais emocionantes aos aplicativos e dispositivos. Isso atrairá uma geração mais nova de fãs, que está acostumada a videogames e tem grandes expectativas sobre a experiência de visualização", comenta Van Dall. "É um novo nível de emoção no beisebol."

big-data-image

Para saber mais sobre como a AWS pode ajudar a capturar e analisar big data, visite nossa página de detalhes sobre big data.

mlbam-big-data-thumb

Joe Inzerillo descreve como a AWS possibilita a inovação da MLBAM.

mblam-statcast-thumb

Joe Inzerillo discute como a AWS ajuda a MLBAM a introduzir rapidamente produtos no mercado.


Facebook-Social-Sharing-Button_v5
Twitter-Social-Sharing-Button_v4
GooglePlus-Social-Sharing-Button_v4
LinkedIn-Social-Sharing-Button_v4