P: O que é o Amazon Aurora?

O Amazon Aurora é um mecanismo de banco de dados relacional que combina a velocidade e a confiabilidade de bancos de dados comerciais avançados com a simplicidade e a economia de bancos de dados de código aberto. O Amazon Aurora MySQL fornece um desempenho até cinco vezes maior que o MySQL, sem necessidade de nenhuma modificação na maioria dos aplicativos do MySQL. Da mesma forma, o Amazon Aurora PostgreSQL fornece um desempenho até três vezes maior que o PostgreSQL. O Amazon RDS gerencia bancos de dados do Amazon Aurora, processando tarefas demoradas como provisionamento, aplicação de patches, backup, recuperação, detecção de falhas e reparos. Você paga uma tarifa mensal para cada instância de banco de dados do Amazon Aurora que usar. Não há custos iniciais nem a necessidade de comprometimentos de longo prazo.

P: O que significa “compatível com o MySQL”?

Significa que a maior parte do código, dos aplicativos, dos drivers e das ferramentas que você já usa com bancos de dados MySQL pode ser usada com o Aurora com pouca ou nenhuma alteração. O mecanismo de banco de dados do Amazon Aurora é projetado para ser compatível com fio com o MySQL 5.6 usando o mecanismo de armazenamento InnoDB. Alguns recursos do MySQL, como o mecanismo de armazenamento MyISAM, não estão disponíveis com o Amazon Aurora.

P: O que significa “compatível com o PostgreSQL”?

Significa que a maior parte do código, dos aplicativos, dos drivers e das ferramentas que você já usa com bancos de dados PostgreSQL pode ser usada com o Aurora com pouca ou nenhuma alteração. O mecanismo de banco de dados do Amazon Aurora foi projetado para ser totalmente compatível com o PostgreSQL 9.6 e oferece suporte ao mesmo conjunto de extensões do PostgreSQL que o RDS for PostgreSQL 9.6, facilitando a mudança de aplicativos entre os dois mecanismos.  

P: Como faço para experimentar o Amazon Aurora?

Para testar o Amazon Aurora, faça login no console da AWS, selecione RDS na categoria Database e escolha o Amazon Aurora como mecanismo de banco de dados.

P: Quanto custa o Amazon Aurora?

Consulte a nossa página de definição de preços para obter informações atualizadas.

P: O Amazon Aurora replica cada bloco do volume do meu banco de dados seis vezes entre as três zonas de disponibilidade. Isso significa que meu preço de armazenamento efetivo será três ou seis vezes o que é mostrado na página de definição de preço?

Não. A replicação do Amazon Aurora está incluída no preço. Você é cobrado com base no armazenamento consumido pelo seu banco de dados na camada de armazenamento, não pelo armazenamento consumido na camada de armazenamento virtualizada do Amazon Aurora.

P: Em quais regiões da AWS o Amazon Aurora está disponível?

Consulte a nossa página de definição de preço para obter informações atualizadas sobre regiões e preços.

P: Como posso migrar do MySQL para o Amazon Aurora e vice-versa?

Você tem várias opções. Você pode usar o utilitário padrão mysqldump para exportar os dados do MySQL e o utilitário mysqlimport para importar dados para o Amazon Aurora, e vice-versa. Você também pode usar o recurso de migração de snapshot de banco de dados do Amazon RDS para migrar um snapshot do banco de dados do MySQL para o Amazon Aurora usando o AWS Management Console. Na maioria dos clientes, a migração é concluída em menos de uma hora, embora a duração dependa do formato e do tamanho do conjunto de dados. Para obter mais informações, consulte o guia de importação e exportação de dados do Amazon Aurora.

P: Como posso migrar do PostgreSQL para o Amazon Aurora e vice-versa?

Você tem várias opções. Você pode usar o utilitário padrão pg_dump para exportar os dados do PostgreSQL e o utilitário pg_restore para importar dados para o Amazon Aurora, e vice-versa. Você também pode usar o recurso de migração DB Snapshot do Amazon RDS para migrar um DB Snapshot do PostgreSQL 9.6 para o Amazon Aurora usando o Console de Gerenciamento da AWS. Na maioria dos clientes, a migração é concluída em menos de uma hora, embora a duração dependa do formato e do tamanho do conjunto de dados. Para obter mais informações, consulte o guia de importação e exportação de dados do Amazon Aurora.

P: O Amazon Aurora participa do nível gratuito da AWS?

Não neste momento. O nível gratuito da AWS para o Amazon RDS oferece benefícios para microinstâncias de banco de dados. No momento, o Amazon Aurora não oferece suporte para microinstância do banco de dados. Consulte a nossa página de definição de preços para obter informações atualizadas.

P: O que é uma E/S no Amazon Aurora e como ela é calculada?

E/S são operações de entrada/saída executadas pelo mecanismo de banco de dados Aurora na sua camada de armazenamento virtualizado com base em SSDs. Cada página do banco de dados lê as contagens de operação como uma E/S. O mecanismo de banco de dados Aurora emite leituras na camada de armazenamento para obter as páginas de banco de dados que não estão presentes no cache do buffer. Cada página de banco de dados tem 16 KB no Aurora MySQL e 8 KB no Aurora PostgreSQL.

O Aurora foi concebido para eliminar operações de E/S desnecessárias para reduzir custos e garantir a disponibilidade de recursos para atender ao tráfego de leitura/gravação. As operações de E/S de gravação são consumidas apenas durante o envio de registros de log para a camada de armazenamento com o intuito de tornar as gravações mais duradouras. As operações de E/S de gravação são contadas em unidades de 4 KB. Por exemplo, um registro de log de transação com 1024 bytes será contado como uma operação de E/S. Porém, operações de gravação simultâneas cujo log de transação seja inferior a 4 KB poderão ser armazenadas em lotes juntas pelo mecanismo de banco de dados Aurora para otimizar o consumo de E/S. Diferentemente dos mecanismos de banco de dados tradicionais, o Amazon Aurora nunca envia páginas de banco de dados modificadas para a camada de armazenamento, o que resulta em economias de consumo de E/S ainda maiores.

Você pode ver quantas operações de E/S sua instância do Aurora está consumindo acessando o AWS Console. Para localizar o seu consumo de E/S, consulte a seção RDS do console, pesquise na lista de instâncias, selecione as suas instâncias do Aurora e procure pelas métricas "Operações de leitura faturadas" e "Operações de gravação faturadas" na seção de monitoramento.

P: Preciso alterar drivers do cliente para usar o Amazon Aurora PostgreSQL?

Não. O Amazon Aurora funciona com os drivers de banco de dados padrão do PostgreSQL.

P: O que é o Amazon Aurora Serverless?

Na re:Invent 2017, anunciamos a demonstração do Amazon Aurora Serverless, uma nova configuração da edição compatível com MySQL que pode economizar tempo, esforço e custos escalando automaticamente a capacidade do banco de dados de acordo com as necessidades dos aplicativos.

P: Como posso começar a usar o Amazon Aurora Serverless?

O Amazon Aurora Serverless já está disponível para demonstração na edição compatível com o MySQL do Amazon Aurora. Você pode cadastrar-se para solicitar a participação. Anunciaremos a disponibilidade geral em uma data futura.

P: O que significa "desempenho cinco vezes maior que o do MySQL"?

O Amazon Aurora oferece aumentos significativos sobre o desempenho do MySQL integrando totalmente o mecanismo de banco de dados com uma camada de armazenamento virtualizada SSD criada especificamente para cargas de trabalho de banco de dados, reduzindo as gravações no sistema de armazenamento, diminuindo a contenção por bloqueio e eliminando atrasos causados pelos threads de processo do banco de dados. Nossos testes com o SysBench em instâncias r3.8xlarge mostram que o Amazon Aurora entrega mais de 500.000 SELECTs/s e 100.000 UPDATEs/s, cinco vezes mais que o MySQL executando o mesmo teste comparativo no mesmo hardware. Veja as instruções detalhadas sobre este teste comparativo e sobre como replicá-lo no Amazon Aurora MySQL Performance Benchmarking Guide.

P: O que significa “desempenho três vezes maior que o do PostgreSQL”?

O Amazon Aurora oferece aumentos consideráveis de desempenho em relação ao PostgreSQL integrando estreitamente o mecanismo de banco de dados com uma camada de armazenamento virtualizado em SSDs, criada especificamente para cargas de trabalho de banco de dados, reduzindo as gravações no sistema de armazenamento, diminuindo a contenção por bloqueio e eliminando atrasos causados pelos threads de processo do banco de dados. Nossos testes com o SysBench em instâncias r4.16xlarge mostram que o Amazon Aurora entrega um número de SELECTs/s e UPDATEs/s mais de três vezes maior que o PostgreSQL executando o mesmo teste comparativo no mesmo hardware. Veja as instruções detalhadas sobre este teste comparativo e sobre como replicá-lo no Amazon Aurora PostgreSQL Performance Benchmarking Guide.

P: Como posso otimizar a carga de trabalho do banco de dados para o Amazon Aurora MySQL?

O Amazon Aurora é projetado para ser compatível com o MySQL 5.6, para que aplicações e ferramentas do MySQL possam ser executados sem a necessidade de modificações. No entanto, uma área em que o Amazon Aurora oferece melhorias em relação ao MySQL é no uso de cargas de trabalho altamente simultâneas. Para maximizar o throughput da carga de trabalho no Amazon Aurora, recomendamos que você desenvolva os aplicativos para gerar um grande número de consultas simultâneas.

P: Como posso otimizar a carga de trabalho do banco de dados para o Amazon Aurora PostgreSQL?

O Amazon Aurora foi projetado para ser compatível com o PostgreSQL 9.6 para permitir a execução de aplicativos e ferramentas atuais do PostgreSQL sem modificações. No entanto, uma área em que o Amazon Aurora oferece melhorias em relação ao PostgreSQL é no uso de cargas de trabalho altamente simultâneas. Para maximizar o throughput da carga de trabalho no Amazon Aurora, recomendamos que você desenvolva os aplicativos para gerar um grande número de consultas simultâneas.

P: Quais são os limites mínimo e máximo de armazenamento de um banco de dados do Amazon Aurora?

O armazenamento mínimo é 10 GB. Com base na utilização do seu banco de dados, seu armazenamento do Amazon Aurora aumentará automaticamente, até 64 TB, em incrementos de 10 GB sem afetar o desempenho do banco de dados. Não há necessidade de provisionar armazenamento adiantado.

P: Como posso dimensionar os recursos de computação associados à minha instância de banco de dados do Amazon Aurora?

Você pode escalar os recursos de computação alocados para uma instância de banco de dados no Console de Gerenciamento da AWS selecionando a instância de banco de dados desejada e clicando no botão Modify. Os recursos de memória e de CPU são modificados alterando a classe da sua instância de banco de dados.

Ao modificar sua classe de instância de banco de dados, suas alterações solicitadas serão aplicadas durante sua janela de manutenção especificada. Como alternativa, você pode usar o marcador "Aplicar imediatamente" para aplicar suas solicitações de escalabilidade imediatamente. As duas opções afetarão a disponibilidade por alguns minutos enquanto a operação de escalabilidade é realizada. Lembre-se de que qualquer outra alteração pendente do sistema também será aplicada.

P: Como eu habilito os backups para minha instância de banco de dados?

Backups automáticos estão sempre ativados nas instâncias de banco de dados do Amazon Aurora. Os backups não afetam o desempenho do banco de dados.

P: Posso fazer snapshots de banco de dados e mantê-los disponíveis pelo tempo que quiser?

Sim, e não há impacto no desempenho ao fazer snapshots. Observe que restaurar dados a partir de snapshots do banco de dados exige a criação de uma nova instância de banco de dados.

P: Se o meu banco de dados falhar, qual é meu caminho de recuperação?

O Amazon Aurora mantém automaticamente 6 cópias de seus dados entre três zonas de disponibilidade e tentará recuperar seu banco de dados automaticamente em uma zona de disponibilidade saudável sem perda de dados. No caso improvável de seus dados estarem indisponíveis no armazenamento do Amazon Aurora, você pode restaurar a partir de um snapshot do banco de dados ou realizar uma operação de restauração pontual para uma nova instância. Observe que o último momento restaurável para uma operação de restauração pontual pode ser de até 5 minutos atrás.

P: O que acontece com meus backups e snapshots de banco de dados automatizados se eu excluir minha instância de banco de dados?

Você pode escolher criar um snapshot de banco de dados final ao excluir sua instância de banco de dados. Se fizer isso, pode usar o snapshot de banco de dados para restaurar a instância de banco de dados excluída posteriormente. O Amazon Aurora retém esse snapshot de banco de dados final criado pelo usuário junto com todos os outros snapshots de banco de dados criados manualmente após a instância de banco de dados ser excluída. Apenas snapshots de banco de dados são mantidos depois da exclusão da instância de banco de dados (ou seja, os backups automáticos criados para restauração pontual não são mantidos).

P: Posso compartilhar meus snapshots com outra conta da AWS?

Sim. O Aurora permite criar snapshots de bancos de dados, que podem ser usados posteriormente para restaurar um banco de dados. Você pode compartilhar um snapshot com uma conta diferente da AWS e o proprietário da conta de destino pode usar esse snapshot para restaurar um banco de dados com os seus dados. Você pode até mesmo optar por tornar seus snapshots públicos, ou seja, qualquer pessoa pode restaurar um BD contendo seus dados (públicos). É possível usar este recurso para compartilhar dados entre seus vários ambientes (produção, des./teste, preparação, etc.) que tenham contas diferentes da AWS, como também manter backups de todos os seus dados seguros em uma conta separada, caso sua conta principal da AWS sofra uma ameaça em algum momento.

P: Serei cobrado por snapshots compartilhados?

Não há cobrança pelo compartilhamento de snapshots entre contas. No entanto, podem haver cobranças pelos snapshots em si, como também por qualquer banco de dados que você restaurar usando os snapshots compartilhados. Saiba mais sobre a definição de preço do Aurora.

P: Posso compartilhar snapshots automaticamente?

Nós não sustentamos o compartilhamento de snapshots automáticos de BD. Para compartilhar um snapshot automático, você deve criar manualmente uma cópia do snapshot e, então, compartilhar a cópia.

P: Com quantas contas posso compartilhar snapshots?

Você pode compartilhar snapshots manuais com até 20 IDs de conta da AWS. Caso deseje compartilhar um snapshot com mais de 20 contas, torne-o público ou você pode entrar em contato com o suporte para aumentar a sua cota.

P: Em quais regiões posso compartilhar meus snapshots do Aurora?

Você pode compartilhar seus snapshots do Aurora em todas as regiões da AWS onde o Aurora estiver disponível.

P: Posso compartilhar meus snapshots do Aurora entre regiões diferentes?

Não. Seus snapshots compartilhados do Aurora só poderão ser acessados por contas na mesma região da conta que os compartilha.

P: Posso compartilhar um snapshot criptografado do Aurora?

Sim, você pode compartilhar snapshots criptografados do Aurora.

P: Como o Amazon Aurora melhora a tolerância a falhas de disco do meu banco de dados?

O Amazon Aurora divide automaticamente o volume do seu banco de dados em segmentos de 10 GB em vários discos. Cada bloco de 10 GB do seu volume de banco de dados é replicado seis vezes entre as três zonas de disponibilidade. O Amazon Aurora é projetado para tratar de maneira transparente a perda de até duas cópias de dados sem afetar a disponibilidade de gravação do banco de dados e até três cópias sem afetar a disponibilidade de leitura. O armazenamento do Amazon Aurora também tem correção automática. Os blocos de dados e discos são continuamente varridos em busca de erros e automaticamente reparados.

P: Como o Aurora melhora o tempo de recuperação depois de uma falha do banco de dados?

Diferente dos outros bancos de dados, depois de uma falha, o Amazon Aurora não precisa reproduzir o log de repetição do último ponto de verificação do banco de dados (normalmente 5 minutos) e confirmar que todas as alterações foram aplicadas antes de disponibilizar o banco de dados para operações. Isso reduz os tempos de reinicialização do banco de dados para menos de 60 segundos na maioria dos casos. O Amazon Aurora move o cache do buffer para fora do processo do banco de dados e o disponibiliza imediatamente no momento da reinicialização. Isso evita que você tenha que alternar o acesso até que o cache esteja preenchido novamente para evitar diminuições de desempenho.

P: Com que tipo de réplicas o Aurora é compatível?

O Amazon Aurora MySQL e o Amazon Aurora PostgreSQL oferecem suporte às réplicas do Amazon Aurora, que compartilham o mesmo volume subjacente da instância principal. As atualizações feitas pela instância principal são visíveis para todas as réplicas do Amazon Aurora. Com o Amazon Aurora MySQL, você também pode criar réplicas de leitura do MySQL usando o mecanismo de replicação baseado em binlog do MySQL. Nas réplicas de leitura do MySQL, os dados da sua instância principal são reproduzidos em sua réplica como transações. Para a maioria dos casos de uso, inclusive escalabilidade e alta disponibilidade de leitura, recomendamos o uso de Réplicas do Amazon Aurora.

Você tem a flexibilidade de misturar e corresponder esses dois tipos de réplicas com base em suas próprias necessidades:

Recurso Réplicas do Amazon Aurora Réplicas do MySQL
Número de réplicas Até 15 Até 5
Tipo de réplica Assíncrono (milissegundos) Assíncrono (segundos)
Impacto de desempenho na principal Baixa Alto
Age como destino de failover Sim (sem perda de dados) Sim (possivelmente minutos de perda de dados)
Failover automático Sim Não
Suporte para atraso de replicação definido pelo usuário Não Sim
Suporte para diferentes dados ou schema x principal Não Sim

P: Posso ter réplicas entre regiões com o Amazon Aurora?

Sim, com o Aurora MySQL, você pode configurar uma réplica do Aurora entre regiões por meio do console do RDS. A replicação entre regiões é baseada na replicação binlog do MySQL com thread único. O atraso da replicação é influenciado pela taxa de alteração/aplicação e por demoras na comunicação de rede entre as regiões específicas selecionadas. No momento, o Aurora PostgreSQL não oferece suporte a réplicas entre regiões.

P: Posso criar réplicas de leitura do Aurora no cluster de réplica entre regiões?
Sim, você pode adicionar réplicas do Aurora no cluster que compartilharão o mesmo armazenamento subjacente da réplica entre regiões. A réplica entre regiões atua como o principal no cluster e as réplicas do Aurora no cluster, geralmente, apresentam um atraso de 10 milissegundos com relação ao principal.

P: Posso fazer o failover do aplicativo por meio do principal atual para a réplica entre regiões?
Sim, você pode promover a réplica entre regiões como o novo principal usando o console do RDS. Normalmente, o processo de promoção leva alguns minutos, dependendo da sua carga de trabalho. A replicação entre regiões será interrompida quando você iniciar o processo de promoção.

P: Eu posso priorizar algumas réplicas como alvos de failover sobre outras?

R: Sim. Você pode atribuir uma camada de prioridade de promoção para cada instância no seu cluster. Quando a instância principal falhar, o Amazon RDS promoverá a réplica com a maior prioridade como principal. Se houver contenção entre 2 ou mais réplicas na mesma camada de prioridade, o Amazon RDS promoverá a réplica que tenha o mesmo tamanho da instância principal. Para obter mais informações sobre a lógica de failover, leia o Guia do usuário do Amazon Aurora.

P: Posso modificar as camadas de prioridade para instâncias depois que elas forem criadas?

R: Você pode modificar a camada de prioridade para uma instância a qualquer momento. Apenas a modificação de camadas de prioridade não acionará um failover.

P: Posso evitar que determinadas réplicas sejam promovidas para a instância principal?

R: Você pode atribuir camadas de prioridade mais baixas para réplicas que você não deseja promover para a instância primária. No entanto, se as réplicas de prioridade mais alta no cluster não estiverem saudáveis ou disponíveis por alguma razão, o Amazon RDS promoverá a réplica de prioridade mais baixa.

P: Como posso melhorar a disponibilidade de um único banco de dados do Amazon Aurora?

Você pode adicionar réplicas do Amazon Aurora. As réplicas do Amazon Aurora compartilham o mesmo armazenamento subjacente da instância principal. Qualquer réplica do Amazon Aurora pode ser promovida para tornar-se principal sem nenhuma perda de dados e, portanto, pode ser usada para melhorar a tolerância a falhas no caso de falha de uma instância principal do banco de dados. Para aumentar a disponibilidade do banco de dados, crie de 1 a 15 réplicas em qualquer uma das três zonas de disponibilidade e o Amazon RDS as incluirá automaticamente na seleção de failover principal no caso de interrupção de um banco de dados.

P: O que acontece durante o failover e quanto tempo leva?

O failover é controlado automaticamente pelo Amazon Aurora para que suas aplicações possam retomar as operações de banco de dados o mais rapidamente possível sem intervenção administrativa manual.

  • Se você tiver uma réplica do Amazon Aurora na mesma zona de disponibilidade ou em outra, ao fazer o failover, o Amazon Aurora alterará o registro de nome canônico (CNAME) da sua instância de banco de dados para apontar para a réplica saudável, que, por sua vez, é promovida e se torna a nova principal. Normalmente, o failover é concluído em até 30 segundos.
  • Se você não tiver uma réplica do Amazon Aurora (ou seja, uma instância única), o Aurora primeiro tentará criar uma nova instância de banco de dados na mesma zona de disponibilidade da instância original. Se não conseguir, o Aurora tentará criar uma nova instância de banco de dados em uma zona de disponibilidade diferente. Do início ao fim, o failover normalmente é concluído em menos de 15 minutos.

Seu aplicativo deve tentar novamente fazer as conexões do banco de dados em caso de perda de conexão.

P: Se eu tiver um banco de dados principal e uma réplica do Amazon Aurora ativamente usando o tráfego de leitura e ocorrer um failover, o que acontece?

O Amazon RDS detectará automaticamente um problema com sua instância principal e começará a encaminhar seu tráfego de leitura/gravação para uma réplica do Amazon Aurora. Na média, o failover é concluído em até 30 segundos. Além disso, o tráfego de leitura atendido pelas réplicas do Amazon Aurora será brevemente interrompido.

P: Qual a defasagem entre a principal e as réplicas?

Como as réplicas do Amazon Aurora compartilham o mesmo volume de dados da instância principal, praticamente não há atraso na replicação. Nós normalmente observamos tempos de atraso na casa de décimos de milissegundos. Para réplicas de leitura do MySQL, o atraso de replicação pode aumentar indefinidamente com base na taxa de alteração/aplicação, bem como atrasos na comunicação da rede. No entanto, em condições normais, é comum um atraso na replicação de menos de um minuto.

P: O que é o Amazon Aurora Multi-Master?

Na re:Invent 2017, anunciamos a demonstração do Amazon Aurora Multi-Master, um novo recurso da versão do Aurora compatível com o MySQL que adiciona a capacidade de escalabilidade vertical de performance de gravação em diversas zonas de disponibilidade. Esse recurso permite que os aplicativos direcionem cargas de trabalho de leitura/gravação para várias instâncias em um cluster de banco de dados e operem com maior disponibilidade.

P: Como posso começar a usar o Amazon Aurora Multi-Master?

O Amazon Aurora Multi-Master já está disponível para demonstração na edição compatível com o MySQL do Amazon Aurora. Você pode cadastrar-se para solicitar a participação. Anunciaremos a disponibilidade geral em uma data futura.

P: Posso usar o Amazon Aurora no Amazon Virtual Private Cloud (Amazon VPC)?

Sim, todas as instâncias de banco de dados do Amazon Aurora devem ser criadas em uma VPC. Com o Amazon VPC, é possível definir uma topologia de rede virtual muito semelhante a uma rede tradicional em operação no seu próprio datacenter. Isso oferece a você total controle sobre quem acessa seus bancos de dados do Amazon Aurora.

P: O Amazon Aurora criptografa meus dados em trânsito e em repouso?

Sim. O Amazon Aurora usa SSL (AES-256) para proteger a conexão entre a instância de banco de dados e o aplicativo. O Amazon Aurora permite criptografar bancos de dados usando chaves gerenciadas através do AWS Key Management Service (KMS). Em uma instância de banco de dados em execução com a criptografia do Amazon Aurora, os dados ociosos mantidos no armazenamento subjacente são criptografados, bem como os backups automáticos, as réplicas de leitura e os snapshots desses dados no mesmo cluster. A criptografia e a descriptografia são processadas de forma transparente. Para obter mais informações sobre o uso do KMS com o Amazon Aurora, consulte o Guia do usuário do Amazon RDS.

P: Posso criptografar um banco de dados não criptografado existente?

No momento, a criptografia de uma instância do Aurora não criptografada não é suportada. Para usar a criptografia do Amazon Aurora para um banco de dados descriptografado existente, crie uma nova instância de banco de dados com criptografia ativada e migre seus dados para ela.

P: Como posso acessar meu banco de dados do Amazon Aurora?

O acesso aos bancos de dados do Amazon Aurora deve ser feito através da porta de banco de dados inserida na criação do banco de dados. Isso é feito para proporcionar uma camada adicional de segurança para seus dados. Instruções passo a passo sobre como se conectar ao seu banco de dados do Amazon Aurora são fornecidas no Amazon Aurora Connectivity Guide.

P: O Performance Insights será disponibilizado para quais tamanhos de instância?

Todos os tipos de instância diferentes de micro. À medida que o RDS introduzir novos tamanhos de instância, o Performance Insights será disponibilizado para os tamanhos que tiverem desempenho suficiente.

P: Quando o Performance Insights será disponibilizado para RDS for PostgreSQL, Aurora MySQL, RDS for MySQL, RDS for Oracle, RDS for SQL Server e RDS for MariaDB?

O Performance Insights será disponibilizado inicialmente para o Aurora PostgreSQL e, logo após, para o Aurora MySQL. Com o tempo, serão acrescentados mecanismos adicionais.

P: Como o Performance Insights mostra o motivo dos problemas de desempenho?

Os problemas de desempenho aparecem na seção Performance Insights do console do RDS como picos no gráfico de carga do banco de dados. Uma rápida visualização do gráfico pode informar rapidamente o tipo de recursos e o tempo utilizados pelo aplicativo no banco de dados. O console permite aumentar o zoom para qualquer período dentro do tempo de retenção. A seleção dos períodos com carga alta permite que os clientes exibam uma lista de instruções SQL, ordenadas pela contribuição geral à carga.

P: Como o Performance Insights conhece a carga em uma instância de banco de dados do RDS?

O Performance Insights realiza amostragens do estado de todas as sessões conectadas à instância de banco de dados a cada segundo. Se uma sessão está usando tempo em uma operação relacionada ao banco de dados, o Performance Insights registra o momento da amostra, o tipo de operação (E/S, CPU, bloqueio, etc.), a instrução SQL atual e vários outros atributos da sessão. Ao longo do tempo, esses dados amostrados são usados para caracterizar como as sessões contribuem para a carga na instância de banco de dados.

P: Os dados de desempenho podem ser consultados internamente na instância do RDS?

Não. O processo de amostragem do Performance Insights não preenche nenhuma tabela no banco de dados nem apresenta dados para recuperação de dentro do banco de dados por meio de SQL.

P: Posso ver o que acontece em uma instância em tempo real?

Sim. Por padrão, o Performance Insights exibe uma janela móvel de uma hora de dados de desempenho. O recurso foi projetado para apresentar as informações mais recentes sobre desempenho em alguns segundos após o tempo real.

P: Qual é o custo do Performance Insights?

O Performance Insights inclui 24 horas de retenção de dados e acesso à console. Na fase de demonstração, o Performance Insights oferece um nível gratuito que inclui a retenção de dados de desempenho por 24 horas. A definição de preço para retenções de dados mais longas será anunciada.

P: Qual o período retroativo disponível para examinar os dados de desempenho armazenados no Performance Insights?

Você pode ver 24 horas de histórico de desempenho. As opções para retenções mais longas serão anunciadas futuramente.

P: Posso desabilitar o Performance Insights em novas instâncias, mesmo se habilitado por padrão?

Sim. Por padrão, a opção do Performance Insights é marcada no Console AWS quando o assistente de criação de instâncias é usado. Você pode desmarcar a opção no assistente para evitar a habilitação do Performance Insights ou desabilitar o Performance Insights em uma instância habilitada modificando essa instância.

P: O Performance Insights funciona em instâncias de banco de dados do RDS que usam armazenamento criptografado?

Sim. O Performance Insights não lê os dados armazenados no banco de dados.

P: O que é a carga de banco de dados e por que é a principal medição usada pelo Performance Insights para detectar problemas de desempenho?

A carga de banco de dados é uma série temporal que mostra por quanto tempo os aplicativos dos clientes usam o banco de dados e o que os aplicativos fazem durante esse tempo. A carga de banco de dados é medida em unidades de média de sessões ativas (AAS). Uma sessão ativa é uma conexão (sessão) que enviou trabalho ao mecanismo de banco de dados e está aguardando uma resposta. Por exemplo, se você enviar uma instrução SQL para uma instância de banco de dados, essa sessão será considerada “ativa” durante o tempo de processamento da consulta pela instância. Com a contagem do número de sessões ativas em uma instância em um determinado momento, podemos oferecer uma métrica que, por meio de sua média calculada para determinados períodos, pode mostrar o quanto uma instância está ocupada e quanto tempo as sessões esperam pela resposta da instância. Isso é a carga do banco de dados. O Performance Insights conta as sessões ativas e registra os atributos de cada sessão em intervalos aproximados de um segundo, usando um mecanismo leve de amostragem. Os dados amostrados são criptografados, agregados em diversos níveis de detalhamento e disponibilizados no gráfico de carga de banco de dados. Os usuários do console podem selecionar o período que desejam visualizar.

P: Devo efetuar uma alteração específica no banco de dados para habilitar o Performance Insights?

Não. No entanto, o Performance insights trabalhará melhor em alguns mecanismos de banco de dados com a habilitação de rastreamento de desempenho adicional. Por exemplo, quando a extensão pg_stat_statement é ativada no RDS PostgreSQL ou no Aurora PostgreSQL, o Performance Insights usa o identificador SQL nativo do PostgreSQL para identificar a instrução e pode coletar o texto completo de instruções mais longas. No MySQL, a habilitação do Performance Schema permite que o Performance Insights colete detalhes muito mais avançados e completos sobre os eventos de espera que afetam o banco de dados.

P: A habilitação do Performance Insights afeta o desempenho do banco de dados?

O agente do Performance Insights foi projetado para não interferir com as cargas de trabalho do banco de dados. O Performance Insights é executado com uma prioridade menor que a dos outros processos na instância e monitora a integridade do host e do banco de dados. Quando o Performance Insights detectar uma carga pesada ou o esgotamento dos recursos, deixará de coletar dados na frequência normal e só coletará dados quando for seguro. As opções de banco de dados, como pg_stat_statement no RDS PostgreSQL e no Aurora Postgres e o Performance Schema no MySQL, podem usar alguns recursos do banco de dados e, possivelmente, afetar o desempenho. A carga de trabalho do aplicativo determinará se a habilitação dessas opções afetará um determinado sistema. A AWS recomenda testar todas as opções de banco de dados com a carga de trabalho antes de habilitá-las em um sistema de produção.

P: Devo continuar a usar o Enhanced Monitoring ou usar apenas o Performance Insights?

Os clientes que usam o Enhanced Monitoring para monitorar métricas do sistema operacional devem continuar a obter esses dados do Enhanced Monitoring. Nos próximos meses, esses dados, bem como uma ampla coleção de métricas de banco de dados, também serão disponibilizados por meio do console e de uma API do Performance Insights. Nesse momento, os clientes poderão obter todos os dados de desempenho do Performance Insights. O Enhanced Monitoring continuará disponível para os clientes que preferirem usá-lo, mas incentivaremos os clientes a padronizar o monitoramento de banco de dados com o Performance Insights.

P: Os dados armazenados no Performance Insights serão criptografados?

Sim. O Performance Insights criptografa todos os dados potencialmente confidenciais usando a sua chave do KMS. São criptografados os dados em trânsito e ociosos. O pessoal da AWS não consegue acessar ou visualizar nenhum dado de desempenho potencialmente confidencial. Somente os usuários da sua conta da AWS terão acesso completo ao RDS para visualizar os dados do Performance Insights. A qualquer momento, você pode revogar a concessão da sua chave do KMS para o RDS, que nos permite processar e exibir seus dados de desempenho.

P: Se eu desligar o Performance Insights, a AWS reterá os dados, ou eles serão excluídos?

A retenção dos dados de desempenho no nível gratuito é restrita a um dia. A desabilitação do Performance Insights em uma instância faz com que os dados de desempenho dessa instância sejam excluídos.

P: O que acontece com a retenção de dados do Performance Insights quando eu interrompo uma instância do banco de dados do RDS?

A interrupção de uma instância do RDS com Performance Insights habilitado não afeta a retenção ou a visibilidade dos dados históricos dessa instância. O período de interrupção da instância simplesmente não conterá nenhum dado.

P: Como posso criar uma interface entre o Performance Insights e minhas ferramentas de desempenho atuais?

No futuro, o Performance Insights exporá uma API disponível para o público, projetada para permitir que clientes e terceiros aproveitem os dados valiosos do Performance Insights.

P: Há alguma forma de integrar ferramentas de desempenho de terceiros com o Performance Insights?

No futuro, o Performance Insights exporá uma API disponível para o público, projetada para permitir que clientes e terceiros aproveitem os dados valiosos do Performance Insights.

P: O Performance Insights será disponibilizado em todas as regiões da AWS onde o RDS está disponível?

Sim. Inicialmente, o Performance Insights estará disponível em quatro regiões: Leste dos EUA (Norte da Virgínia, Ohio), Oeste dos EUA (Oregon) e UE (Irlanda). Com o tempo, o recurso será disponibilizado em todas as regiões onde o RDS estiver disponível.

P: Posso habilitar o Performance Insights em instâncias existentes, ou somente nas novas?

Sim. O Performance Insights pode ser habilitado em instâncias existentes mediante a modificação da instância. Para novas instâncias, basta especificar na criação da instância que o Performance Insights deve ser habilitado.

P: O Performance Insights usa qualquer armazenamento na instância de banco de dados?

Não. O Performance Insights não consome espaço de armazenamento em instâncias do RDS.

P: Quais serão as diferenças, se existirem, da execução do Performance Insights em diferentes mecanismos de banco de dados?

O Performance Insights foi projetado para oferecer uma abordagem e uma visualização comuns para os ajustes em todos os mecanismos de banco de dados no RDS. Como alguns atributos (por exemplo, eventos de espera e identificadores de SQL) variam em função do tipo de mecanismo, também apresentarão variações no Performance Insights quando usados com mecanismos de banco de dados diferentes. Um dos princípios essenciais do Performance Insights é que conceitos, identificadores e atributos existentes em um mecanismo de banco de dados devem permanecer intactos. No geral, o Performance Insights não reinterpretará nem renomeará eventos de espera e outros atributos específicos do mecanismo, mas os apresentará fielmente, da forma relatada pelo mecanismo de banco de dados.

P: O Performance Insights funciona com instâncias Multi-AZ e de réplicas de leitura?

Sim. Se um banco de dados do RDS usar o Multi-AZ e o Performance Insights estiver habilitado, esse recurso permanecerá habilitado quando e se ocorrer um failover dessa instância para outra zona de disponibilidade. Como as réplicas de leitura são instâncias independentes, os clientes podem habilitar ou desabilitar o Performance Insights nessas instâncias.

P: Posso exportar dados do Performance Insights?

A funcionalidade de exportação de dados será adicionada ao Performance Insights no futuro.

P: Posso reimportar dados posteriormente para o Performance Insights a fim de executar análise de desempenho?

Não. O Performance Insights mostra apenas os dados coletados diretamente de uma instância. Os dados obtidos pelo Performance Insights serão disponibilizados nos próximos meses por meio de uma API. Dessa forma, será possível fazer análises usando um dos serviços orientados a análises da AWS, como Amazon Athena, Amazon Redshift, Amazon Redshift Spectrum e Amazon Quicksight.