Em tudo o que fazemos na Capital One, sempre começamos com as necessidades de nossos clientes e trabalhamos com base nisso para descobrir como atendê-los da melhor maneira. O benefício mais importante de trabalhar com a AWS é que não precisamos nos preocupar com a criação e operação da infraestrutura necessária para fazer isso. Ao contrário, podemos concentrar nosso tempo, dinheiro e energia na criação de excelentes experiências para nossos clientes.
George Brady Vice-presidente Executivo e Diretor de Tecnologia, Capital One

A computação em nuvem, uma tecnologia consolidada em duas décadas de existência, tem um histórico claro de ajudar as empresas de todos os tipos e portes a maximizar a velocidade e agilidade, reorientar recursos valiosos das operações de TI e aprimorar seu foco na inovação e na criação de novos valores para o cliente. Dessa forma, está ficando cada vez mais fácil para muitas empresas que não estão na nuvem decidirem adotar essa tecnologia.

Muitas empresas, mas não todas.

“Empresas de grande porte sempre terão uma certa resistência a uma mudança tão significativa”, afirma George Brady, vice-presidente executivo e diretor de tecnologia da Capital One. “Isso se aplica especialmente às instituições financeiras, nas quais os principais sistemas legados, as regras operacionais complexas e os extensos requisitos de conformidade podem deixar as pessoas relutantes em migrar para a nuvem. 

De que modo, então, a Capital One chegou ao ponto em que, em 2015, anunciou que todos os novos aplicativos da empresa seriam executados (bem como a reestruturação sistemática de todos os aplicativos existentes) na nuvem? Embora a Capital One, uma empresa de tecnologia que oferece serviços financeiros, seja diferente em aspectos importantes de outras empresas do setor, sua trajetória na Amazon Web Services (AWS) e abordagem de priorização da nuvem voltada ao desenvolvimento de software oferecem dicas úteis para empresas de grande porte, empresas que não são nativas em nuvem e empresas altamente regulamentadas que mapeiam suas próprias jornadas de migração para a nuvem.

Capital One_How to Cloud
4:26
Capital One reinventa os serviços bancários por meio do uso da AWS

Antes de descrever a trajetória de migração para a nuvem seguida pela Capital One, Brady diz que é importante entender por que a empresa estabeleceu inicialmente essa trajetória.

“Em toda a nossa história como empresa, nosso foco principal sempre foi transformar e otimizar a experiência do cliente de serviços bancários”, explica ele. “Os cientistas, engenheiros e designers da Capital One dedicaram muito tempo pensando sobre como as mais recentes tecnologias podem nos ajudar a fazer isso."

Portanto, não foi surpresa que a empresa já estivesse avaliando a computação em nuvem quando Brady ingressou na Capital One em 2014.

“Tínhamos um recurso de nuvem privada incipiente e nossos engenheiros também estavam experimentando a AWS”, ele complementa. “A questão básica era se fazia mais sentido dedicar recursos à criação e operação da nossa própria infraestrutura de nuvem ou migrar para a nuvem pública para que, assim, pudéssemos nos concentrar em desenvolver e lançar novos recursos e produtos que os nossos clientes desejavam. Dado o nível de dedicação ao cliente na Capital One, essa pergunta praticamente se respondeu por si.”

Embora a primeira pergunta fosse simples de responder, ela abriu as portas para outras mais complicadas sobre segurança, conformidade e como realizar a mudança cultural necessária. Em outras palavras, a Capital One estava no momento de sua jornada de migração para a nuvem, no qual muitas empresas de grande porte começam a enfrentar problemas.

Brady, que trouxe três décadas de experiência em equipes de tecnologia empresarial quando ingressou na Capital One, sabia que, às vezes, a tática mais adequada para dar os primeiros passos pode significar o fim dos objetivos de migração para a nuvem de uma empresa de grande porte.

"A abordagem de nuvem de muitas empresas é buscar resolver primeiro os problemas fáceis, como colocar partes isoladas da empresa na nuvem, com a esperança de que isso facilite a resolução de problemas maiores no futuro”, afirma Brady. “Invertemos essa abordagem ao decidirmos resolver primeiro os problemas mais difíceis. Não queríamos estar na posição de tentar convencer as partes interessadas do valor da nuvem sem primeiro poder garantir que poderíamos implantar e executar qualquer um de nossos aplicativos de forma responsável.”

Isso significava abordar de frente e previamente as questões sobre segurança. “Como uma instituição financeira, levamos a segurança dos dados de nossos clientes extremamente a sério”, diz Brady. “Antes de mudarmos uma única carga de trabalho, envolvemos grupos de toda a empresa para criar uma estrutura de riscos relativos à nuvem que atendesse o mesmo patamar de segurança e conformidade que cumprimos em nossos ambientes locais. A AWS trabalhou conosco em cada etapa desse processo."

Para implementar a estrutura resultante de riscos na nuvem, a Capital One contou com pessoas e tecnologia. “Uma etapa inicial importante que adotamos foi estabelecer uma função de governança da nuvem, composta por gerentes de riscos e engenheiros de nuvem, com o objetivo de selecionar recursos e controles que nos mantivessem bem gerenciados à medida que movêssemos os aplicativos para a nuvem”, comenta Brady, acrescentando que essa equipe continuou a atualizar e a refinar trimestralmente a estrutura de controle de riscos da nuvem. "Desenvolvemos e criamos em código aberto um mecanismo de cumprimento da conformidade chamado Cloud Custodian, destinado a automatizar a detecção e a correção de violações de políticas, de forma que pudéssemos manter nossas equipes dentro dos limites de segurança sem restringir a capacidade de trabalhar de forma criativa e promover a inovação para os nossos clientes. Também desenvolvemos um portal de relatórios no qual podemos visualizar e mensurar a conformidade em toda a frota de serviços em todo o nosso complexo ambiente de várias contas.”

O planejamento de longo prazo e o foco em treinamento foram os principais facilitadores da estratégia bem-sucedida de migração para a nuvem da Capital One.

"Para que todas as partes interessadas se sintam confortáveis com uma grande mudança como essa, é realmente útil ter uma visão de longo prazo sobre aonde está tentando ir e por quê”, diz Brady. “Logo no início, desenvolvemos um roteiro de cinco anos que alinhava o uso da nuvem da AWS com a estratégia corporativa de longo prazo da empresa. Ser capaz de apontar o valor que seríamos capazes de extrair por meio do uso da nuvem era a chave para atrair líderes da empresa e transformá-los em defensores da nuvem. Nossos argumentos mais eficazes foram sobre como a nuvem oferece suporte mais ágil à inovação, por meio da economia e ao encontrar valor em mais dados, bem como em função da recuperação mais rápida de falhas e da transferência de recursos das operações para um trabalho de maior valor”.

Programas de treinamento cuidadosamente adaptados foram outra ferramenta que o Brady e sua equipe usaram para estabelecer e manter um amplo suporte para a jornada rumo à nuvem da empresa. “Para um projeto bem-sucedido de nuvem, é primordial se certificar de que qualquer um que possa influenciá-lo entenda o que está fazendo e por quê”, diz ele. “Obviamente, é preciso treinar engenheiros e desenvolvedores sobre como usar as novas ferramentas. Mas também é imprescindível garantir que os executivos da empresa entendam o quanto a nuvem é interessante para as metas corporativas, desde que eles estejam dispostos a fazer os investimentos significativos e necessários para continuar progredindo”.

Agora que a Capital One foi a pioneira em nuvem por vários anos, como parte de uma estratégia de longo prazo destinada a reduzir a área do datacenter da empresa e expandir o uso de microsserviços, a empresa não precisa mais falar prospectivamente sobre o valor da operação na nuvem e pode, em vez disso, destacar os benefícios concretos. Ao usar a AWS, a Capital One potencializa os processos ágeis de DevOps que ajudam a levar novos recursos e produtos ao mercado em semanas, em vez de meses ou anos; alimenta dados e oferece treinamentos eficazes do modelo para análise da Machine Learning de última geração e soluções de atendimento ao cliente; integra suas centrais de atendimento com o CRM e outros importantes sistemas corporativos; e atrai desenvolvedores e engenheiros de nível iniciante e aqueles mais experientes com a perspectiva de aprender e inovar com as mais recentes tecnologias de nuvem.

No entanto, como a Capital One é dedicada ao cliente, nada disso importaria se a empresa não pudesse indicar como a AWS está beneficiando diretamente os clientes. Brady afirma que isso não é um problema.

“Em tudo o que fazemos na Capital One, sempre começamos com as necessidades de nossos clientes e trabalhamos com base nisso para descobrir como atendê-los da melhor maneira atender essas necessidades”, ele explica. “O benefício mais importante de trabalhar com a AWS é que não precisamos nos preocupar com a criação e operação da infraestrutura necessária para fazer isso. Ao contrário, podemos concentrar nosso tempo, dinheiro e energia na criação de excelentes experiências para nossos clientes.”