Inteligência operacional. Essas duas palavras soam familiares? Se a resposta é não, esta postagem é para você. Nela definiremos o que é inteligência operacional e explicaremos o que você deve fazer para aproveitar o poder dela para ajudar sua organização a prosperar. Você também aprenderá por que é interessante para você fazer isso.

E se a sua resposta foi “sim”? Você também deve continuar lendo. Mesmo que você já tenha algum entendimento de inteligência operacional, ainda assim aprenderá alguns insights valiosos nesta postagem: insights que você pode aplicar na sua empresa e que o ajudarão a levar sua abordagem da inteligência operacional ainda mais além.

Inteligência operacional: uma definição

Vamos começar tentando encontrar uma definição razoável para a inteligência operacional.

Redação da Wikipédia
Podemos começar vendo o que a Wikipédia nos traz e, a partir daí, trabalhar para chegar a uma definição melhor. Aqui está a definição deles:

Inteligência operacional (IO) é uma categoria de análise dinâmica de negócios em tempo real que fornece visibilidade e insight para dados, eventos de transmissão e operações de negócios. Soluções de IO executam consultas em feeds de transmissão de dados e dados de eventos para fornecer resultados analíticos como instruções operacionais. A IO permite que as organizações tomem decisões e ajam imediatamente com base nesses insights analíticos, por meio de ações manuais ou automatizadas.

O que podemos extrair da primeira frase? Essencialmente, a inteligência operacional refere-se a um conjunto de técnicas e ferramentas cujo objetivo é extrair conhecimento de grandes quantidades de dados gerados por operações de negócios. Também aprendemos que esse processo deve ser dinâmico e em tempo real, o que traz à mente a automação. A terceira frase tenta se aprofundar um pouco no funcionamento da inteligência operacional, explicando que as consultas são executadas sobre variadas fontes de dados, a fim de reunir resultados analíticos na forma de instruções operacionais.

E esses duas palavras (“instruções operacionais”) ligam-se muito bem com a parte final da definição, que, creio eu, explica a essência da inteligência operacional: tomada de decisão.

Definição reformulada
Então, é assim que eu definiria inteligência operacional:

Inteligência operacional refere-se a um conjunto de tecnologias que pode extrair conhecimento útil de várias fontes de dados, de uma maneira dinâmica e em tempo real, para ajudar as empresas a tomar decisões.

Sem dúvida, está longe da perfeição, mas acho que está bom o suficiente para o objetivo desta postagem. Definições à parte, está na hora da próxima pergunta: por que você se preocuparia com isso?

A razão para a inteligência operacional

Agora que você sabe o que é a inteligência operacional, é hora de decidir se ela serve para você. E se essa prática oferecesse à sua empresa uma vantagem competitiva?

Não existe almoço grátis, e implementar uma nova prática na sua organização também não será de graça. Seja em dinheiro, tempo ou, muito provavelmente, os dois, a inteligência operacional requer um investimento. Então, se você quer que sua empresa adote a inteligência operacional, terá que vendê-la para os seus colegas de trabalho e chefes. Como proceder? Continue lendo para aprender como mostrar que esse investimento vale a pena.

Logs: você provavelmente tem milhares deles...
Quando desenvolve software, sua empresa usa alguma abordagem para garantir que a aplicação funcione como pretendido (eu espero). Mas, mesmo com uma estratégia muito boa, às vezes as coisas dão errado. Uma vez que uma aplicação foi implantada pra valer, o que você deve fazer? Cruzar os dedos e esperar o melhor? Como dizem, a esperança não é uma estratégia. E o que você precisa é de uma estratégia: uma estratégia de monitoramento.

Registrar logs é, sem dúvida, um componente essencial de uma boa abordagem de monitoramento. O que explica você provavelmente ter muitos dados na forma de entradas de log. Isso nos leva ao próximo ponto.

...E eles provavelmente estão escondendo muito valor
Logs frequentemente têm uma origem humilde. Eles geralmente começam como ajudantes de uma depuração post-mortem, consistindo de um time stamp mais um stack trace de exceção, não muito mais que isso.
Com o passar do tempo, no entanto, nosso antes humildes logs seguem acumulando mais dados. Seja para propósitos administrativos ou de segurança, ou mesmo por exigências regulatórias, o fato é que as entradas de log rapidamente ficam cheias de dados que podem ter um valor inacreditável.

As agulhas de insight num palheiro de dados
Das duas seções anteriores, podemos extrair duas conclusões:

1. Já que registrar logs é uma parte vital da estratégia de monitoramento de uma aplicação moderna, uma aplicação comum terá muitas entradas de log.
2. Essas entradas podem conter um tesouro enterrado na forma de valiosos insights.

A palavra-chave do último item é “enterrado”. Qual a vantagem de ter conhecimento valioso e não poder acessá-lo? Na verdade, é ainda mais triste do que não ter o conhecimento.

É por isso que a inteligência operacional pode ter tanto impacto na sua organização. É a peça que faltava no quebra-cabeça, que permitirá que você use as informações que já estão lá, extraia-as e transforme-as no conhecimento que ajudará sua empresa tomar decisões estratégicas.

Ativação da inteligência operacional na sua empresa

Se você leu até aqui, então concorda que a inteligência operacional vale a pena. Então, como proceder para realmente implementar essa estratégia? É sobre isso que falaremos a seguir.

Longe de ser um tutorial abrangente, no entanto, esta seção será mais um guia breve e básico. Abordaremos alguns dos passos iniciais para você começar a utilizar a inteligência operacional. Enquanto você aprende mais, poderá evoluir dessa abordagem inicial para algo mais sofisticado.

Criando as bases
Vamos começar com uma analogia. Você sabe que nem todo código é igualmente testável, certo? Antes de acrescentar testes unitários a uma base de código, você deve garantir que o código obedeça a alguns critérios. Ele deve ter baixos níveis de acoplamento, utilizar injeção de dependência, ser modular... e por aí vai.

De forma análoga, nem toda coleção de logs está igualmente preparada para a inteligência operacional. Dependendo da aparência atual dos seus logs, você deve precisar de uma certa preparação.

Primeiro, você deve garantir que seus logs obedeçam a padrões bem estabelecidos. Por exemplo, um problema comum é: você tem logs de clientes espalhados por diversos fusos horários. Entretanto, as entradas de log apresentam time stamps no horário local de cada cliente. Se você quiser realizar qualquer tipo de análise baseada no tempo, terá problemas. A prática recomendada aqui seria sempre utilizar os time stamps em UTC ao registrar logs e sempre usar o formato ISO-8601. Outra opção é você pode também registrar logs no horário local de cada cliente, acrescentando o offset do UTC.

Também é importante usar rótulos padronizados para os níveis de entrada, como INFO, WARNING, e assim por diante. É importante que você tenha a possibilidade de distinguir rapidamente entre os diferentes tipos de eventos sendo registrados.

Você pode ir ainda mais além, usando registros de log estruturados, que consistem em armazenar as entradas de log em uma linguagem estruturada, como XML, JSON, ou similar. Isso permite realizar operações de análise mais fáceis e poderosas nos seus logs.

Que ferramentas posso usar para obter inteligência operacional?
Depois que seus dados estiverem preparados, é hora de começar a pensar nas ferramentas. E aqui está uma ferramenta que se encaixa perfeitamente nos requisitos da inteligência operacional: Amazon OpenSearch Service.

O Amazon OpenSearch Service facilita a execução de análises interativas de log, o monitoramento de aplicações em tempo real, pesquisas em sites e muito mais. O OpenSearch é um conjunto de pesquisa e análise de código aberto distribuído derivado do Elasticsearch. O Amazon OpenSearch Service oferece as versões mais recentes do OpenSearch, suporte para 19 versões do Elasticsearch (versões de 1.5 a 7.10) e recursos de visualização fornecidos pelo OpenSearch Dashboards e Kibana (versões de 1.5 a 7.10). Com o Amazon OpenSearch Service no comando da sua abordagem de inteligência operacional, sua organização tomará decisões ainda mais rápido, o que pode ser a diferença entre vencer seus concorrentes no mercado ou perder completamente para a concorrência.

Aproveite o poder da inteligência operacional hoje

Nesta postagem, falamos sobre a inteligência operacional: o que o termo significa, por que vale a pena o investimento e como preparar sua empresa antes da implementação. Também vimos como o Amazon OpenSearch Service é a ferramenta perfeita para recuperar insights valiosos perdidos sob sua montanha de dados de log.

Faça um teste com o Amazon OpenSearch Service hoje. Sua relação com seus dados de log nunca mais será a mesma.

O OpenSearch contém determinados códigos do Elasticsearch licenciados pelo Apache do Elasticsearch B.V. e outros códigos-fonte. O Elasticsearch B.V. não é a fonte desse outro código-fonte. ELASTICSEARCH é uma marca comercial registrada da Elasticsearch B.V.

Saiba mais sobre os preços do Amazon OpenSearch Service

Acesse a página de preços