A Hess Corporation é uma empresa global de energia independente líder na exploração e produção de petróleo bruto e gás natural. Fundada em 1933, a Hess Corporation tem escritórios em mais de doze países. A sede da empresa fica em Nova York, NY e as sedes regionais em Houston, Texas e em Kuala Lumpur, Malásia.

As empresas adquirem e vendem negócios por questões estratégica, financeiras ou por outros motivos. Se não gerenciado com eficiência, o processo pode afetar todas as partes de uma organização e causar interrupções na organização e nos negócios. Em 2013, a Hess decidiu otimizar seus negócios e concentrar-se na exploração e produção de energia (E&P). Como parte do processo, a empresa anunciou em março de 2013 que pretendia vender seus negócios de refinação e processamento, incluindo varejo, marketing de energia e terminais. Prevendo a separação de sistemas e dados da empresa para possíveis compradores, o departamento de TI da Hess começou a trabalhar com a Amazon Web Services (AWS) em julho de 2013 e assinou um contrato para dispor do ambiente operacional em produção até janeiro de 2014.

"Já tínhamos experimentado um pouco da tecnologia de nuvem e da infraestrutura como serviço (IaaS). O anúncio da venda ofereceu a oportunidade perfeita para acelerar a taxa de adoção", comentou Jim McDonald, arquiteto líder. "Tínhamos de entregar uma infraestrutura operacional e funcional ao comprador. Além disso, era nossa obrigação assegurar que a infraestrutura pudesse ser transferida rapidamente, em termos jurídicos e físicos. O uso da nuvem nos permitiu cumprir todos esses requisitos, e ficamos entusiasmados com os resultados."

A organização de TI já conversava sobre nuvem com a Nimbo, um parceiro de consultoria avançada da rede de parceiros da AWS (APN), desde o começo de 2013. Trabalhando com a Nimbo, a Hess desenvolveu uma lista final de candidatos a provedores de nuvem e, por fim, escolheu a Amazon Web Services (AWS).

"Não tínhamos tempo para reprojetar aplicações", disse McDonald. "A AWS podia oferecer suporte às nossas aplicações legadas de 32 bits no Windows Server 2003, a diversos bancos de dados SQL Server e Oracle e a um robusto ambiente Citrix."

Para preparar a infraestrutura para a migração para a AWS, a Hess e a Nimbo desenvolveram uma abordagem em duas frentes, implementadas em paralelo:

• Um inventário detalhado, identificando os servidores a serem mudados, os níveis de sistema operacional, os requisitos de processador e memória, as configurações de armazenamento e os requisitos de backup e restauração

• Um processo de análise de aplicações, identificando as aplicações que seriam migradas para o comprador, os pontos de integração, os requisitos de desempenho, acesso remoto e o consumo e crescimento de área em disco

"Não queríamos fazer nenhuma mudança na infraestrutura que complicasse a mudança", comentou McDonald. "Sempre que possível, criamos instâncias na AWS com as mesmas especificações do ambiente no local."

Ira Bell, cofundador e COO da Nimbo, lembra que "Acreditamos que a AWS foi fundamental para ajudar a concretizar o conceito de empacotar toda a organização e transferi-la para o comprador. Tratamos o negócio de marketing de energia como se fosse um objeto vivo. Gastamos muito tempo pensando sobre como poderíamos pegar esse objeto e colocá-lo em um ambiente com características de depósito em garantia ou algo que pudesse ser considerado uma zona neutra. Era extremamente importante que a empresa continuasse a prosperar e a ser bem-sucedida durante a transição."

A Hess escolheu uma série de aplicações piloto em julho e começou a criar a infraestrutura básica na plataforma da AWS. Após conseguir rapidamente bons resultados e obter o apoio da liderança, a equipe passou várias semanas coletando informações detalhadas sobre o restante do portfólio de aplicações e orientando a Nimbo sobre os requisitos de segurança.

Trabalhar em um ambiente em nuvem era uma mudança organizacional e cultural para a Hess. Era essencial que as equipes de aplicação trabalhassem de forma consensual. "Foi extremamente importante fazer com que todos se sentissem mais confortáveis com os recursos da plataforma da AWS e acreditassem nessa abordagem", disse McDonald. A Nimbo criou sessões informais para oferecer aos desenvolvedores de aplicações (que normalmente não seriam expostos à AWS) uma oportunidade de aprender sobre as principais tecnologias e funcionalidades da nuvem.

A Hess estabeleceu uma conexão VPN em agosto de 2013 para conectar seu datacenter no local usando o Amazon Virtual Private Cloud (Amazon VPC) na AWS. "O Amazon VPC foi uma ferramenta excelente para separarmos logicamente os servidores em sub-redes adequadas e para aplicarmos a configuração de rede desejada."

Com a evolução das necessidades da empresa, a Hess mudou para o AWS Direct Connect com uma conexão de 1 Gbps para obter um desempenho de rede mais consistente. "Tivemos alguns requisitos de replicação de dados bastante complexos durante a migração", comentou McDonald. "Tudo funcionou conforme o esperado e nossas equipes de suporte puderam usar as mesmas ferramentas para gerenciar os servidores com que já estavam acostumados em nosso datacenter. A nuvem funcionou basicamente como uma extensão da nossa rede."

A Hess migrou aproximadamente 300 servidores para a região Leste dos EUA (Norte da Virgínia) da AWS. O Amazon Elastic Block Store (Amazon EBS), anexado a instâncias do Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2), oferece armazenamento de blocos para quase 500 TB de dados. Os volumes de IOPS provisionadas, juntamente com as instâncias otimizadas para EBS, oferecem desempenho consistente e de baixa latência para servidores com demandas de E/S mais rigorosas. Em casos extremos, os volumes de IOPS provisionadas foram configurados como uma matriz RAID para aumentar o desempenho.

Além disso, o ambiente abrangia várias zonas de disponibilidade para melhor posicionamento em caso de recuperação de desastres (DR). McDonald observa que "Embora não tivéssemos obrigação contratual de fornecer recursos de DR, colocamos o ambiente de desenvolvimento em uma segunda zona de disponibilidade para que o comprador pudesse usá-la como a base para um plano de DR."

Para o ambiente no local, a Hess usa um sistema de backup em fita. Na AWS, a equipe configurou a plataforma para criar snapshots de cada volume e armazená-los no Amazon Simple Storage Service (Amazon S3), obtendo backups noturnos dos dados. Os snapshots são anexados a instâncias para fins de recuperação de arquivos ou reversão. "Os snapshots nos protegiam contra falhas de servidor e exclusão ou corrupção acidental de dados", disse McDonald. "Aproveitamos o recurso de cópia facilitada de snapshots na mesma região para outra região da AWS usando o console do Amazon EC2, as ferramentas da Interface da Linha de Comando (ILC) do Amazon EC2 ou a API. Usamos cópias de snapshot para criar backups de dados e para criar novos volumes do Amazon EBS e imagens de máquina da Amazon (AMIs) padrão executando Microsoft Windows Server 2003 e Windows Server 2008."

A Hess usou várias versões do Microsoft SQL Server no ambiente, incluindo as versões Standard e Enterprise do SQL Server 2000, do SQL Server 2005 e do SQL Server 2008. Para criar backups dos bancos de dados SQL Server e Oracle, a empresa usou as ferramentas nativas de backup de banco de dados para armazenar dados inicialmente no Amazon S3 e depois no Amazon Glacier, para fins de arquivamento de longo prazo.

O Amazon CloudWatch monitora recursos e aplicações na nuvem. A infraestrutura da empresa no local incluía dispositivos NetScaler para balanceamento de carga e F5 para gerenciamento de firewall de aplicações. A Hess usou o AWS Marketplace para virtualizar os dispositivos no local na nuvem. A figura 1 demonstra a infraestrutura na AWS.

hess-arch-diagram

Figura 1. Infraestrutura de marketing de energia na AWS

No ambiente de TI do marketing de energia, cerca de 50% dos softwares são software de prateleira e os outros 50% são aplicações personalizadas. Praticamente todas as aplicações personalizadas foram desenvolvidas usando a estrutura Microsoft .NET. A maioria das aplicações personalizadas e de prateleira usam bancos de dados SQL Server ou Oracle, de acordo com a necessidade. Cerca de 70% das aplicações são baseadas na web e as restantes são "thick client" (ou seja, são executadas em computadores conectados a uma rede).

A Hess aproveitou a plataforma da AWS para criar, definir o ambiente e resolver falhas com rapidez. "Se algo não funcionasse, podíamos descartá-lo e criá-lo novamente em horas ou dias", afirmou McDonald. "A flexibilidade de criar rapidamente dezenas de servidores foi fundamental para nós."

A Hess criou metade dos servidores necessários para o ambiente de produção e clonou o resto usando código. Com essa abordagem, a Nimbo conseguiu criar uma centena de servidores em um dia. "Isso seria impossível em nosso ambiente no local", comentou McDonald. "A criação de 100 servidores com o clique de um botão é simplesmente espetacular." Bell comenta que "Um dos principais pontos fortes da Nimbo é a nossa prática de operações de desenvolvimento. Temos alguns líderes que realmente se destacam quando têm uma plataforma como a AWS."

A execução na Nuvem AWS permitiu que a Hess instalasse o Microsoft Windows e o SQL server e criasse dispositivos virtuais facilmente, sem um longo processo de compras e licenciamento. "Sempre existem desafios nesse tipo de projeto", destacou McDonald. "O ambiente da AWS oferece alternativas e várias formas de resolver qualquer problema. A flexibilidade foi essencial para o nosso êxito."

"A essência desse projeto era a rapidez de chegada ao mercado, e concluímos a migração para a Nuvem AWS em seis meses", disse McDonald. "Com servidores físicos, precisaríamos de pelo menos o dobro do tempo."

A Hess desejava transferir a infraestrutura para o novo proprietário da forma mais transparente possível, sem um longo contrato de suporte. A empresa começou a usar a AWS em seu ambiente de produção de marketing de energia em janeiro de 2014 e executou a transição do ambiente para o comprador em fevereiro.

Para minimizar riscos de segurança e o acesso ao ambiente, a Hess usou um dispositivo do AWS Multi-Factor Authentication (MFA) para autenticação. O comprador configurou uma conta da AWS e, após transferir as credenciais, a Hess transferiu o dispositivo. "A transição foi feita em uma reunião de 30 minutos", disse McDonald. "Foi algo incrivelmente simples."

"A Hess e a Nimbo realmente exploraram a AWS em um dos casos de uso de nuvem mais diferenciados que já vi", notou Bell. "Passamos as chaves para o comprador em um processo orquestrado, mas simples, e os negócios continuaram da forma esperada. Estou totalmente impressionado com a liderança de pensamento da Hess e da AWS, que possibilitou à Nimbo fazer parte de uma implementação de nuvem tão notável."

O sucesso da aquisição aumentou a visibilidade dos serviços de nuvem na Hess. "O trabalho que fizemos demonstrou para a organização que era possível trabalhar com a AWS", afirmou McDonald. "O ímpeto inicial para essa iniciativa foi fornecido pela venda. No entanto, agora que já terminamos o processo, sabemos o que é possível fazer com a Nuvem AWS. No futuro, procuraremos criar soluções em nuvem como alternativas para nossos recursos no local."

Para saber mais sobre como a AWS pode ajudar a operar a sua empresa, visite a nossa página de detalhes de TI corporativa em http://aws.amazon.com/enterprise-it/.

Para saber mais sobre como a Nimbo pode ajudar sua empresa a usar a Nuvem AWS, consulte as informações da Nimbo no diretório de parceiros da AWS.